Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

20046068_1782444375118884_1707520910_n
No comando: Radiolabilly Show com DJ Giuliano Juks Jive

Das as

tom-ingram
No comando: Tom Ingram Show

Das 13:00 as 15:00

dj-rambling-hoss-radioabilly
No comando: Rhythm Express Radio Show com DJ Rambling Hoss

Das 15:00 as 16:00

dj-mouse-zinn-radioabilly
No comando: The Room with DJ Mouse Zinn

Das 17:00 as 18:00

dj-gerd
No comando: The FullMoonShow Rockabilly with DJ Gerd

Das 17:00 as 19:00

18308677_1699206406776015_400829928_n
No comando: Bombs Away R&R Show com DJ Wayne Radley

Das 18:00 as 20:00

link-wray-son-of-rumble-rockabilly-n-blue-radio-hour-radioabilly-programacao
No comando: Rockabilly N Blues Radio Hour com Jammin’James Riley

Das 20:00 as 21:00

Alex Valenzi The Boogie Woogie Man do Brasil na Radioabilly

Compartilhe:
capa-alex-valenzi-radioabilly

Alex Valenzi The Boogie Woogie Man do Brasil na Radioabilly

Alex Valenzi e sua banda The Hideaway Cats, estão na estrada do rock ‘n’ roll há muitos anos, provando ser verdadeiros showmen com músicas impecáveis! As performances da banda são sempre únicas, com uma lista apaixonada de canções próprias e também clássicos da década de 1950. Seus ídolos vão desde a década de 1940 até a década de 1970, incluindo Elvis Presley, Big Joe Turner, Eddie Cochran, Jerry Lee Lewis, Bill Haley e os Cometas, Chuck Berry, Stray Cats e tantas outras personalidades importantes na história da música.

Trabalhou com grandes nomes da música como Jerry Lee Lewis, JAmes Burton, Levi Dexter entre muitos outros.

Tocou em vários programas de TV de grande audiência, como:

Programa Jô Soares

 

 Programa Todo Seu com Ronnie Von

 

 

 

Este ano Alex Valenzi está lançando um álbum pela El Toro Records e com participações de músicos renomados. Pedimos  ao Alex Valenzi que nos desse um entrevista, onde pudesse nos contar sobre sua trajetória e também de seu álbum tão esperado pelo seu público que acompanha sua carreira.

 

Entrevista

(Rockabilly) A sua influência principal foi seu pai que gostava de Elvis e o ouvia. Conte nos mais sobre essa época.

(Alex Valenzi) Exato! O que aconteceu foi que no dia que o Elvis morreu eu tinha 6 para 7 anos e lembro que meu pai me chamou as pressas e disse para avisar minha mãe que o Elvis havia morrido isto era num fim de tarde, lembro bem. Ela ficou toda agitada (como todos ao redor, e isto me chamou a atenção, depois ao ver as notícias e os profiles nos noticiários, com clips antigos e tal, eu resolvi me aprofundar mais e ai ganhei o segundo LP do Elvis, fui ao cinema uns 2 ou3 anos depois assistir Elvis não morreu com Kurt Russell e então virei fã, e quis conhecer outros parecidos!!

(Rockabilly) Porque sua mãe lhe presenteou com um piano Teve uma história atrás disso?

(Alex Valenzi) Sim!! Longa história, vou resumir ao máximo. Em 1992 eu já tocava uma guitarra de leve(só base), e quando meu pai faleceu em um acidente de motocicleta em fevereiro, nós recebemos um dinheiro do seguro de vida dele, e o sonho dele era conhecer Memphis, a casa do Elvis e tudo mais, então minha mãe decidiu me mandar para Memphis, e lá chegando, eu sabendo que era aonde o Jerry Lee morava, procurei seu paradeiro(eu até então nem era tão fã dele tinha 1 cd e uns 2 vinis) , uma noite quando fui dar uma canja em um bar Vapors Club perguntei a Sra. da portaria se ela sabia do paradeiro dele, ela era mulher do pianista da banda da casa, Bil Strom, que tocou órgão com o Jerry Lee por muitos anos e eram amigos dele, e me deram o endereço.

Fomos para lá, fica em Nesbit,MS, meia hora de Memphis, e lá chegando, o grande portão de piano estava aberto, embicamos na frente e esperamos, logo The Killer chegou em seu carro, demos passagem e ele entrou, logo em seguida chegou seu manager e entramos em seguida, falamos com ele se podíamos falar com Jerry, ele disse q acabavam de voltar da Espanha, que ele estava muito cansado, mas falou q ele iria tocar no dia seguinte no programa de tv o nashville now em Nashville, e para irmos para lá que ele deixaria nosso nome. Depois de uma aventura, chegamos, ele não deixou nome nenhum, mas por muita sorte uma senhora da bilheteria do Orpyland park(o teatro era lá dentro), conhecia o chefe de segurança do teatro e nos botou na terceira fila, se não houvéssemos ido no guichê dela(tinham dezenas, nunca teríamos entrado, e eu provavelmente não faria o que faço hoje!

Quando ele entrou começou tocando Me & Bobby McGee, e quando vi aquilo resolvi que o que eu queria, voltei e pus minha mãe louca rsrs, e em novembro ela me deu um piano de aniversário que era em dezembro, eu havia comprado em Nashville uma caixa de 8 cds do Jerry Lee e pus ao lado do piano e por horas e horas dia fui me ensinando a tocar, em uma ano já estava abrindo o show dele no Palace.

(Rockabilly) Conte a história da primeira formação de sua banda, que começou em Memphis em 1993.

(Alex Valenzi) No ano seguinte 1993, decidi que iria morar em Memphis e tentar a sorte ao lado do Almir(guitarrista dos Grilos Barulhentos)lá chegando nos entrosamos com meu amigo Bill Strom que saíra do Vapors e tocava no Hernando’s Hide-a-way(um Honky Tonky perto de Graceland, que é o point preferido do Jerry Lee), lá começamos a dar canja com a banda toda noite de março a junho, quando o Almir teve que voltar, no começo de Julho sugeri aos caras da banda como eu tocava com eles direto aprendendo valiosíssimas dicas do meu mentor Bill Strom(grande pianista e cantor) e dia 4 de Julho fomos para o estúdio e gravamos 4 músicas, três covers, Blue Ribbon Baby de Tommy Sands, You Know What I Mean de Ricky Nelson, Three Months To Kill de Huelyn Duvall, e minha primeira composição I dig that chick(que eu viria a regravar no No Different than you)esta demo quem me resgatou foi o amigo DJ Leandro pois eu não tinha mais rsrs aliás estou precisando de outra cópia rsrs, nascia ali a banda em 04 de Julho de 1993.

(Rockabilly)   O nome da banda foi inspirado pelo nome da casa Hernando’s Hideway? Conte mais?

(Alex Valenzi) Sim, comecei a tocar oficialmente com eles lá, fazia os últimos 15 minutos das 8 entradas de 45m, e quando gravamos a demo o baixista Jim Nolen, sugeriu o nome de Hide-a-way Cats, o baterista era o Fred Norman (que não gravou a demo pois havia perdido uma baita grana no casino na noite anterior e não apareceu no estúdio, substituído por David Jeff) e o guitarrista Robert Tinsley, que eram conhecidos no Hernando’s como The Silver Eagle Band, por lá passavam grandes músicos, muitos destes tocaram na banda de Jerry Lee e tive a oportunidade de tocar com músicos notórios da banda de Jerry como Joel Shoemaker e Butch Baker guitarras, Jim Isbell, Pete Fletcher Bateria, o próprio Jim Nolen, e o baixista atual do Jerry Lee Ray Gann, cresci como musico no Hernando’s e meio que fui adotado musicalmente por estes caras!

(Rockabilly) Com a formação original da banda, vocês vieram ao Brasil para abrir o Show de Jerry Lee Lewis em São Paulo e Rio de Janeiro. Como foram os bastidores deste show e como o público brasileiro reagiu com o seu trabalho, principalmente sabendo que você era brasileiro?

(Alex Valenzi) Na verdade o que aconteceu foi que eu tive um corte no polegar direito, e cortei o tendão então tive que voltar para fazer uma cirurgia, e quando voltei fui procurado pelo Waldomiro Saad (empresário) que queria trazer o Jerry Lee Lewis, eu fiz o contato pra ele com o empresário em troca de abrir os shows.

Sobre a formação, tive que reformular com Brasileiros, chamei Almir pra guitarra, como na época os grilos barulhentos haviam parado de tocar juntos, ele pediu que eu chama-se os outros integrantes, pois já havíamos tocados juntos, então mesmo tendo ofertas de músicos renomados para montar a banda por uma questão de amizade chamei a galera, que mandou muito bem!! Esta formação com exceção ao Ricardo (que foi para o Japão antes mesmo do show extra em SP)  durou até alguns meses depois dos shows do Jerry, aproveito para esclarecer que a abertura dos shows foi de Alex Valenzi & The Hideaway Cats, pois tempos depois os grilos barulhentos lançaram em seu release, a história de que tinham aberto os shows e que eu era um pianista convidado por exigência da produção que segundo eles mandou mudar o nome para Hideaway Cats, e muita gente por isto pensa q os Grilos abriram, o que não é verdade, os integrantes do grilos, Almir, tropeço, Ricardo e Fabio, estavam lá mas como Hideaway Cats, o que está bem evidenciado na história toda . Hoje já conversei com o atual batera o Edu que disse que ia corrigir isto.

Os bastidores daquela tour foram muito tumultuados, pois quando fomos gravar o Jô, eles deram um chá de cadeira no Jerry Lee, que na espera mandou uns whiskies e num dado momento a cadeira que ele estava sentado quebrou, ele caiu e quebrou 2 costelas (o que só foi diagnosticado no RJ após os 2 shows de SP), por isto que o primeiro show foi curto e todos reclamaram muito, sem saber o que acontecia, e por causa disto,  as pessoas estavam nervosas com ele, nosso show foi mais elogiado que o normal, mas atribua à produção muito mal feita, eu de cara me dei muito bem com ele e toda a banda e manager, e o Saad, não queria me levar pro RJ pra não gastar, pôs a banda do Avelar Love (do João Penca pra abrir) mas por muita sorte, na noite após o segundo show, o Jerry Lee falou na frente do Waldomiro saad “ nos vemos no Rio amanhã Alex?” eu disse “eles não vão me levar Jerry” ele chamou Waldomiro e disse “ Hey Mr. Alexs is goin’!!” e eu fui hehe, lá como já havia banda de abertura, eu fui convidado a tocar com a banda dele antes dele entrar, voltando a SP para o show extra, ao fim eles me chamaram no camarim e trancaram apenas eu e ele, que me deu seu cachimbo de presente, deixando várias celebridades na fila, incluindo o dono do Palace, Rita Lee, Titãs etc, quando acabamos de trocar uma ideia, presente também nosso amigo e Road na época Paulo Buré, eles liberaram os outros haha.

Alex Valenzi & The Hideaway Cats no Show em São Paulo

 

 

(Rockabilly) Também você foi convidado a tocar no aniversário de 60 anos do Jerry Lee Lewis. Como surgiu o convite e como foi essa festa?

(Alex Valenzi) Isto ocorreu em 1995, como realmente meu santo bateu com o dele e fiquei também muito amigo do kenny Guitarrista dele desde 1966, recebi o convite de me apresentar lá em Memphis na festa de 60 anos dele, muitas celebridades, como Sam Phillips, Dr. George Nichopólus (médico do Elvis, entre outros, cobertura da CNN, e tudo mais. Jerry deixou naquele dia suas pegadas na calçada da fama da famosa Beale Street em Memphis,  tocou 3 músicas (acompanhado do histórico primo JW Brown (pai de Myra) a banda tocou algumas e eu fechei o show, sempre brinco que muitas bandas abriram para o Jerry, mas abrir e fechar só eu!!

No dia seguinte fui com um seleto grupo de amigos e família num churrasco no Lewis Ranch.

(Rockabilly) Em 2007 vocês lançaram o álbum No Different Than You pelo selo Bad Rabbits Records, este foi o primeiro CD da banda? Conte-nos sobre esse trabalho e qual música ficou marcada para você desse momento.

(Alex Valenzi) Na verdade este foi o terceiro álbum gravado, mas o primeiro lançado oficialmente.

O primeiro gravado foi em 95 ao vivo no Aeroanta com kenny Lovelace e James Burton nas guitarras, mas o dono da gravadora(holandesa) depois de tudo gravado e mixado, não lançou, pois sua filha de3 anos pegou meningite e acabou com a vida dele que nunca lançou e hj nem tenho mais os másters se alguém por ai tiver, ficaria muito feliz, pois chegamos a vender alguma copias pirata nos shows, o segundo  Record Hop Tonight gravei em 2000, lancei algumas copias piratas também eu mesmo, mas não consegui lança-lo oficialmente

E por fim em 2007 fomos convidados por Fábio McCoy a lança-lo por seu selo Bad Habits, e foi muito bem aceito, fizemos 4 tours internacionais em3 anos e nos botou na cena, as músicas que mais marcaram, foram, Rockabilly Joint, Percolator, Big Mother nHumper e uma que foi feita para o Elvis mas nunca gravada, wham bam hot ziggety zan, estas estão sempre pedindo nos shows.

 

(Rockabilly) Como surgiu a oportunidade de tocar no Viva Las Vegas em 2009? A reação do público de lá? Aqui no Brasil teve alguma repercussão?

(Alex Valenzi) Antes do VLV já havíamos tocado na França e no Rockin 50’s fest em Greenbay, e já estávamos no circuito, ai um amigo Victor Rodder ofereceu e o Tom Ingram nos contratou. A repercussão lá foi excelente, pois eles gostam muito de bandas do Brasil, que seja pela curiosidade, o público nos recebeu muito bem!! E outros artistas também, fomos os primeiro sul americanos a participar do VLV e também de festivais na Europa, depois que fomos, quase todos os anos foram Brasileiros no VLV, fico contente por termos abrido a porteira para os amigos que foram à seguir. Aqui a repercussão é excelente e nos possibilita trabalhar pelo pais inteiro com nossos shows,com um curriculum destes facilita, pois o custo de tocar em outras praças de SP e Brasil é muito alto e se vc não tem um curriculum forte fica difícil, e tocar só em SP não sustenta uma banda.

 

(Rockabilly) Você participou de alguns festivais importantes pelo mundo. Conte nos mais das pessoas que conheceu, das expectativas, enfim, como foi essa experiência?

(Alex Valenzi) Sensacional!!! Participamos do Rockin’ 50’s fest 3 em Greenbay, que foi o maior de todos 150 artistras do mundo todo, todos estavam lá, desde os mais antigos como The 5 Keys, Cadillacs, Clovers, Cleftones, Little Richard, Wanda Jackson, Collins Kids, Billy lee Riley, até os mais novos,  Lemmy do Motorhead com sua banda Head Cats, 2 terços do Streay Cats, Rocky Burnette, Kim Lenz, Nick Curran, Go Getters, e muitos mais, Carl Mann,Eddie Bond, Frankie Ford,  e muito mais, tocamos também no Summer Jamboree em Senigalia na Itália 2010 (o maior da Europa) lá conhecemos Chuck Berry, Wayne Hancock(ao qual eu dei um fogo haha) ele era AA e eu não sabia pediu um drink e eu enchi ele de vodca, Jack Barrymore, Paul Ansell, outro amigo Pepe Torres,  e muitos outros. Ao longo destes festivais pude conhecer e em alguns casos me tornar amigo de muitos artistas e conhecer de perto a maioria dos meus ídolos, experiência para levar pra vida toda!!

 

(Rockabilly) Hoje com a nova formação da banda, vocês vão lançar um CD pelo selo El Toro Records.  Fale desse trabalho, todas as faixas são autorais? Qual é a música de trabalho?

(Alex Valenzi) Sim!! Já fazem muitos anos do último e já estava mais do que na hora, estamos trabalhando nele já a uns 2 anos (por questões de mudança de pessoal e tal) acredito que neste novo trabalho, já estou muito mais maduro musicalmente, acho também que cresci muito como compositor, escrevi 7 músicas, mais 5 originais de uma dupla de compositores Ingleses Jim Newcomb & Geoff Taggart que fazem música pra muita gente conhecida da cena, e uma original escrita pelo guitarra do Jerry o Kenny  Lovelace, e alguns covers mais obscuros como por exemplo Bad Boy de Billy Zoom da Rollin Rock dos anos 80, passeando por estilos como R&B, Rockabilly, Doo Wop, Rock & Roll e Country, o cd foi gravado aqui pelo Joe Marshall e mixado em Passadena na Califórnia pelo Shorty Poole, baixista da banda do VLV e estou muito feliz com o resultado é de longe meu melhor trabalho e muito dançante!!  Aproveito e agradeço ao Carlos Diaz da El Toro por acreditar no nosso trabalho.

 

(Rockabilly) Conte nos das participações especiais de Levi Dexter e Ricardo Alpendre (Alquimistas Rockabilly) em seu novo álbum.

(Alex Valenzi) Sim!! Levi é um grande amigo, ele e sua esposa Bernie que conheci em Greenbay e fizemos uma grande amizade, e quando chamei ele topou na hora e gravou um Rock do cantor John Ashley “Let Your Self Go Go” além disto ele escreveu um belo texto de apresentação do cd, e outro grande amigo o grande cantor Ricardo Alpendre, convidei ele para cantar comigo um dueto R&B de The Cliques I’ll Mess You Up na festa de 20 anos da banda, ficou tão legal que resolvi gravar e chama-lo, e teve também a participação do Paul Guitar Jr da banda Hotzilla (ele que já foi do Hideaway Cats, inclusive abriu conosco o show do Jerry Lee em BH 09) gravou guitarra em 4 músicas.

(Rockabilly) Qual a data e o local lançamento de seu álbum?

(Alex Valenzi) As gravações e mixagem já estão prontas, tiramos as fotos, que vão para o artista do sul, Henrique San (que trabalha para a El Toro e outras, fazer a arte. A gravadora ainda tem uns 2 lançamentos programados para antes, e o nosso deve sair perto do fim do ano para aproveitar a temporada de festivais de 2018 já que a de 2017 já está fechada.

 

(Rockabilly) Primeiramente gostaríamos de agradecer pela entrevista e que desejamos muito sucesso, aqui e fora do país. Adoramos seu trabalho. E saiba que você pode contar com a Radioabilly. Em breve queremos fazer um programa dedicado a você. E fica o convite, vem fazer programa na Radioabilly!!! Rsrs Além disso, se você quiser falar alguma coisa que não foi perguntado. Este espaço é só seu.

(Alex Valenzi) Primeiramente, muito obrigado, adorei a entrevista, vcs estão muito bem informados, coisa que nem sempre é o caso, e me deram a oportunidade de esclarecer muita coisa.

Também lembrando que temos um DVD gravado ao vivo em 2008 em Ribeirão Preto “ Boogie-a-billy Rock live @ Vila Dionizio por ocasião de uma tour com James Burton, e que também fizemos uma tour com os Comets originais do Bill Haley aqui em 96, com os quais fizemos uma Jam Session na segunda de nossas 3 apresentações no Jô, e voltamos abrir para o Jerry Lee em 2009, e do final deste ano pra frente, muita coisa boa pra acontecer!! KEEP ON ROCKIN!!!

Links de Contato:

Facebook: https://www.facebook.com/alexvalenziboogieman?fref=ts

Email: valenzicat2012@hotmail.com


apresentacao-patricia-queiroz-blog-radioabilly

Patricia Bueno Queiróz,  formada em engenharia de produção. É sócia-proprietária da web rádio Radioabilly, amante da boa música, juntou essa paixão com o universo dos anos 40 aos 60, fazendo uma ponte entre músicos, DJs e o mundo. Além de mãe e esposa, gosta de desafios e transforma o impossível em possibilidades.

Deixe seu comentário:

Translate

Facebook

http://www.marybettie.com/

Announce Here!

Últimas do blog